Com energias renovadas, 2018 trouxe novas expectativas no setor da tecnologia, com novas tendências para o design e, com isso, a busca pelo “boom” certeiro para alavancar o mercado. Vem acompanhar com a gente o esperado para esse novo ano!

 

REALIDADE AUMENTADA

Acredito que todos acompanharam, de alguma forma, a febre que o jogo Pokemón GO trouxe nos últimos anos, especialmente 2016 e 2017. Se você não jogou, podemos afirmar que, com certeza, esbarrou em alguém pela rua em busca dos queridos pokemóns, não é mesmo? Esse tipo de jogo é o perfeito exemplo de realidade aumentada. O jogo traz, ainda que de forma mais rudimentar, os personagens para um ambiente físico familiar. Basta utilizar a tela do celular e a câmera para que um personagem do jogo possa ser virtualizado no mesmo ambiente que você!

Essa tecnologia, no entanto, pode fazer muito mais que isso! A ideia de poder estudar o espaço físico com detalhes como medidas e cores e salvar objetos em uma espécie de “sala virtual”, pode trazer uma noção mais próxima e real do que você está simulando para que possa, de fato, trazer para o mundo físico.

Alguns players do mercado também apostaram fichas nessa tecnologia. Temos a presença, por exemplo, do ARKit, desenvolvido pela Apple; Google trazendo o projeto Tango e, também, a Microsoft com o HoloLens.

A Spartan Design também não fica de fora! Tivemos grandes ideias que poderiam ser aplicadas para os mais variados tipos de clientes. No entanto, por ser uma tecnologia de alto custo e de pouco acesso no mercado, continuamos trabalhando nas ideias para apresenta-las da melhor forma possível para vocês.

A expectativa para 2018, é o desenvolver de sistemas e aparelhos cada vez mais palpáveis para o mercado consumidor, pois infelizmente ainda está fora da curva de desenvolvimento e de poder aquisitivo para se obter um aparelho bom para tal tecnologia.

 

REALIDADE VIRTUAL

Quem aqui não fez uso da realidade virtual ou não assistiu, sequer, um vídeo na internet em que alguém fazia uso e tinha reações diversas enquanto participava de um jogo ou uma experiência utilizando um óculos um tanto quanto esquisito? Pois é. Essa é a famosa Realidade Virtual. Diferente da realidade aumentada, a virtual tende a te transportar para um outro local, fazendo uso de um óculos que cobre toda seu campo de visão. Você passa a fazer parte de um plano virtual, podendo interagir e vivenciar o que está sendo proposto.

Em 2017, tivemos alguns players fazendo uso dessa tecnologia, como a HTC, com seu VIVE, o  Facebook que adquiriu a empresa Oculus VR e seu famoso produto chamado Oculus Rift e a Sony com seu Playstation VR. Nos smartphones temos o GearVR da Samsung, e ate mesmo o Google Cardboard, com ideias mais simples e até mesmo mais acessiveis.

A expectativa foi alta, não podemos negar. Mas, com ela, tivemos também, uma rejeição do mercado. A tecnologia, apesar do grande salto no desenvolvimento de aparelhos e sistemas, e na revolução das experiências para usuários, está fora da possibilidade de consumo para a maioria.

Acreditamos que esse ponto ainda é algo difícil de sofrer grandes mudanças em 2018. Mas, não podemos descartar a ideia de que essa tecnologia traz uma experiência única de interação. A vantagem comercial, então, decorre da grande aposta nessa experiência.

 

INTERNET DAS COISAS E WEARABLES

Já imaginou sua TV, sua geladeira, máquina de café, câmeras de vídeo ou até mesmo seu tênis e demais vestimentas gerando e apresentando dados e estatísticas no alcance do seu celular? Isso tudo além das suas funções básicas, claro. Sim, essa é uma promessa já para esses anos e já começou sendo mostrada através de nossos relógios ou os tão famosos SmartWatches, entre os mais famosos estão!

Convenhamos que a ideia é genial, não é? A proposta, no entanto, já teve suas barreiras impostas. No ano passado, um dos maiores ataques da internet ocorreu nesses aparelhos. Tivemos vários deles invadidos e utilizados para DDoS (em termos, seria um computador mestre que teria sob seu comando até milhares de aparelhos zombies, ordenando ataques ou ações em massa).

Além da barreira que mencionamos acima, temos também a que chamamos de “troca imediata de produtos”. Nesse caso, um produto fica obsoleto muito rápido por uma das opções: ou por ter saído algo mais novo, ou por desinteresse das empresas em continuar com o suporte do produto.

Ainda estamos procurando encontrar aquela peça de roupa ou aquele objeto que possa gerar uma necessidade útil para as pessoas, tal qual um smartphone, mas ainda não temos apostas para 2018. Não percamos as esperanças, certo?

 

BLOCKCHAIN E BITCOINS

Após o aumento do valor que o Bitcoin vem sofrendo nesses últimos anos, uma outra tecnologia vem ganhando espaço e atenção: o Blockchain, também conhecido como o “protocolo da confiança”. Para os que estão chegando agora e sendo apresentados a essa tecnologia, o Blockchain tem a descentralização como medida de segurança, ou seja, a informação que você pretende obter deve passar por diversos lugares de confiança para ser validada. Não dá para negar que passa uma certa segurança, não é mesmo?

A ideia é boa: tirar das mãos do governo ou de uma empresa só o poder de controlar aquela informação. Porém, a centralização ainda é grande, como podemos ver pelos mineradores de bitcoins que, atualmente, controlam esse mercado.

Vamos continuar acompanhando de perto a evolução dessa ideia!

 

MACHINE LEARNING E INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Projetar uma máquina para realizar tudo o que o homem faz. Parece distante? Pois não é! Uma tendência que podemos acompanhar de perto a evolução. Já é uma realidade para quem precisa, atualmente.

Após a mudança do mercado para viabilizar esse tipo de conhecimento e de algoritmos de fácil implementação, players como o IBM Watson e Google TensorFlow estão possibilitando a entrada dessa tecnologia nas empresas.

A ideia de ter uma máquina trabalhando para encontrar o melhor caminho ou até mesmo ajudando na resolução de problemas, vem sendo uma das maiores promessas de investimento, tanto para desenvolvedores quando para aqueles que pretender usufruir nas suas próprias empresas!

Segundo o Stackoverflow (provavelmente o maior fórum discussão na internet para assuntos de desenvolvimento), a busca por “Machine Learning” foi uma das mais feitas em 2017 pelos desenvolvedores ao redor do mundo. Não tem como não querer acompanhar essa, concorda?

 

CHATBOTS

Aproveitando o embalo da Machine Learning mencionada acima, os Chatbots vêm melhorando cada dia mais o reconhecimento de fala, escrita, de argumentos e, até mesmo, a análise prévia de dados para trazer uma sensação ainda mais humanizada para o cliente durante a interação com o serviço.

O que se pode perceber é que, mesmo existindo dúvida quanto à razão de se utilizar um chatbot ao invés de uma interface para o usuário, os estudos e investimentos nessa tecnologia continuam avançando, prometendo novidades no ramo em breve!

 

WEB

O crescimento da web é algo que acompanhamos de perto, não é? A evolução do browser após o html5 e css3 continua ocorrendo, cada vez com mais intensidade. O espaço e as possibilidades para aplicações e ferramentas mais poderosas parecem chegar perto do nativo das plataformas iOS e Android.

A ideia de ter uma aplicação em um espaço onde todos já possuem a base em seus celulares, computadores e outros dispositivos, vem se tornando uma forma viável de criar protótipos ou, até mesmo, outras novas ideias!

 

Bom, por hoje é só! Trouxemos uma breve noção de temas em alta para esse começo de 2018 e que acreditamos que mereça uma atenção maior. Continue acompanhando com a gente o que acontece no mundo da tecnologia! Em breve voltamos com mais notícias.

Navegue em outros posts

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *